Top

Mortes de pessoas da comunidade LGBT nos EUA atingiram recorde em 2016

A Coalizão Nacional de Programas Antiviolência dos EUA revelou nesta segunda-feira (12) que 77 pessoas da comunidade LGBT foram mortas no país em 2016. Esse número, que é o maior registrado em 20 anos desde o início dos registros, foi reforçado pelas mortes de 49 pessoas em um ataque a uma boate gay da Flórida em junho.

Excluindo as vítimas da Pulse, 28 norte-americanos que se identificavam como lésbicas, gays, bissexuais ou transgênero foram assassinados em 2016, um aumento de 17 % em relação aos 24 mortos do ano anterior, de acordo com o relatório anual. A quantidade de assassinatos do ano passado foi a mais alta desde 2012, quando 25 pessoas LGBT foram vitimadas.

Incluindo as vítimas da Pulse, os assassinatos de pessoas LGBT subiu 217 % em 2016. Nem todos os mortos no ataque ao clube eram LGBT.

A divulgação do relatório da Coalizão coincide com o 1º aniversário do massacre na casa noturna Pulse, de Orlando, o ataque a tiros mais letal na história moderna dos EUA.

“A tragédia enorme do Clube Noturno Pulse, somada à violência diária e à discriminação que permeiam nossas vidas como pessoas LGBT… criaram uma tempestade perfeita de medo e trauma para nossas comunidades este ano”, disse Melissa Brown, do Projeto Antiviolência da Cidade de Kansas, um membro da coalizão, em um comunicado.

A coalizão, que publica o relatório desde 1997, disse que as pessoas LGBT continuam vulneráveis à violência em 2017, especialmente no que descreveu como o “clima político incendiário” atual nos Estados Unidos.

No domingo (11),d ezenas de milhares de pessoas marcharam em Washington e em outras cidades norte-americanas em defesa dos direitos da população LGBT.

Manifestação em defesa dos direitos da comunidade LGBT nos EUA (Foto: Associated Press)

Manifestação em defesa dos direitos da comunidade LGBT nos EUA (Foto: Associated Press)

Marcha em defesa dos direitos da comunidade LGBT nos Estados Unidos (Foto: Associated Press)

Marcha em defesa dos direitos da comunidade LGBT nos Estados Unidos (Foto: Associated Press)

Via: G1