Top

Inglaterra deve cortar apoio a países onde homossexualidade é proibida

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, ameaçou cortar a ajuda do Reino Unido a países que proíbem a homossexualidade e não reformem suas legislações. O premier ponderou que, mesmo no caso de reformas, alguns Estados sofrem com “preconceitos profundos”, o que significa que o problema deve persistir por anos.

Cameron disse que discutiu a questão com líderes de países durante a reunião da comunidade britânica (Commonwealth), na Austrália. Este foi um dos temas sobre os quais o grupo de 16 países não chegou a um acordo. Segundo o premier, o Reino Unido fez pressão para adotar este tipo de punição a Estados “homofóbicos”, mas não pretende que a questão seja resolvida até o próximo encontro do grupo, em 2013, no Sri Lanka.

Ele alertou o próximo país sede da reunião a melhorar seu desempenho em relação aos direitos humanos, alertando que do contrário poderá enfrentar um boicote daqui a dois anos. Cameron se negou, porém, a dizer se o Reino Unido ficaria ausente. Encerrar à proibição à homossexualidade é uma das recomendações de um relatório da Commonwealth, escrito por especialistas dos Estados membros.

“O Reino Unido é um dos maiores doadores do mundo. Nós queremos ver os países que recebem nossa ajuda aderindo a direitos humanos adequados. Nós estamos dizendo que isso é uma das coisas que determinam nossa política de ajudas, e há alguns maus exemplos onde nós agimos”, disse Cameron à BBC1, durante o encontro na cidade australiana de Perth.

O premier acrescentou que falou com diversos países africanos que mais repressão foi feita também pelo ministro das Relações Exteriores, William Hague, que o representou durante parte do evento na Austrália.

No mesmo encontro, a comunidade britânica aprovou a mudança nas regras da sucessão real britânica, igualando mulheres a homens no direito de assumir o trono e encerrando o veto ao casamento de monarcas com católicos, o que estava previsto na legislação em vigor há mais de 300 anos.

Da Agêcia O Globo