Top

Feministas prometem manifestação em frente a teatro onde casal gay foi agredido

O casal de namoradas Roberta Nascimento e Talita Andrade acusam um segurança do teatro Acbeu de agressão na noite da última sexta (1)

Grupos feministas prometem realizar uma manifestação nesta segunda-feira (5) em frente à galeria ACBEU, no Corredor da Vitória, em protesto contra a agressão a uma jovem por um segurança do local.

“Pelo fim do machismo e da lesbofobia. As companheiras agredidas estão convocando um ato segunda-feira (4), às 16h, no Corredor da Vitória”, diz o texto compartilhado nas redes sociais.

 

O casal de namoradas Roberta Nascimento e Talita Andrade acusa um segurança do teatro Acbeu de agressão na noite da última sexta (1). Elas acompanhavam o lançamento da exposição “Mutantes” quando, no fim da mostra, tentaram ir ao banheiro.

Conforme alegam, o segurança tentou impedir o acesso delas ao sanitário, dizendo que o lugar estava “fechado” e que a exposição tinha acabado.

Ainda assim, insistiram e foram seguidas pelo segurança. Agressivo, ele tentou mais uma vez impedir as jovens, quando um outro visitante da exposição percebeu o comportamento do funcionário e tentou refreá-lo.

“Ele falou para o segurança nos deixar em paz e foi agredido”, conta Talita, afirmando que tentou conter o segurança, que bateu nela. “Ele também agrediu Roberta e empurrou mais algumas meninas”.

roberta-nascimento-agredida-por-um-seguranca-do-teatro-acbeu-foto-reproducao-2

Roberta recebeu um soco no olho, que ficou inchado e completamente roxo, e precisou ser atendida no Hospital Português. Neste sábado (2), ambas prestaram queixa na delegacia e fizeram exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal Nina Rodrigues (IML), além de tomar vacina antitetânica por causa dos ferimentos.

Ao CORREIO, Talita diz acreditar que a confusão foi motivada por homofobia. “Estávamos tranquilas na festa, dançando e nos beijando, como fazemos em muitos lugares”, relata. “Nunca pensei que fôssemos passar por isso. Talvez no máximo uma agressão verbal, mas nada desse tipo”.

Ela afirma ainda que a própria negativa do segurança em deixar o casal ir ao banheiro pode ser interpretado como um sinal de que as ações foram motivadas por preconceito. “Nossas amigas pediram para ir ao banheiro e cinco minutos depois nós pedimos e ele não deixou. Não sou ingênua a ponto de não fazer essa ligação”, disse. As jovens ainda alegam que o segurança desapareceu após o ocorrido e teria prestado queixa contra elas em uma delegacia, depois de rasgar a própria roupa e se autoflagelar.

À TV Bahia, o Acbeu afirma que houve uma “agressão mútua” e que na segunda-feira (4) a diretoria do espaço irá se reunir para decidir como proceder em relação ao caso. A administração da galeria também salienta que pagou o tratamento de Roberta no hospital. O caso será investigado pela 14ª Delegacia Territorial (Barra).